Babá é estuprada e assaltada por bandido em Vila Velha-ES.

Foto: Leone Iglesias.

Local próximo de onde a jovem foi violentada em Vila Velha.

Uma babá, de 22 anos, passou por momentos de terror nas mãos de um criminoso na madrugada de ontem, em Jardim Marilândia, Vila Velha. Ela foi estuprada e assaltada pelo bandido, no momento em que chegava em casa após uma festa.

Segundo a jovem, depois do crime, ela correu até um posto de combustíveis, onde havia policiais militares. No entanto, de acordo com ela, os militares debocharam dela, disseram que ela era garota de programa e não a ajudaram.

Ainda muito abalada com o abuso sofrido, a babá relatou que o caso aconteceu por volta da 1h30, de ontem. Ela estava indo para casa acompanhada por um amigo, que a deixou em frente da residência onde ela mora.

“Estava andando com meu amigo. Nisso, passou um homem de bicicleta. Meu amigo me deixou em frente ao portão e o homem de bicicleta voltou. Corri para abrir o portão e comecei a subir as escadas. O bandido chegou no portão e mostrou a arma. Ele falou que era para eu ficar calada e descer”, disse a jovem.

De acordo com a vítima, o criminoso a levou para uma rua atrás de uma loja de revenda de veículos e ordenou que ela se abaixasse atrás de um caminhão estacionado na rua e, em seguida, abusou sexualmente dela.

“Eu só chorava nessa hora. Ele apontava a arma para minha cabeça e dizia para eu parar de chorar senão ele ia me matar”, revelou a babá.

A vítima explicou que o bandido ainda exigiu que ela permanecesse embaixo do caminhão enquanto ele fugia. Após a fuga do criminoso, a babá foi procurar ajuda em um posto de combustíveis, na avenida Carlos Lindenberg.

“Tinha quatro viaturas na hora do acontecimento, mas os policiais debocharam de mim, disseram que eu era garota da pista (garota de programa) e não me ajudaram”, lembrou emocionada a babá.

Na manhã de ontem, ela foi acompanhada de uma amiga até a 2ª Delegacia Regional de Vila Velha, onde registrou a ocorrência e foi orientada a procurar o Departamento Médico Legal (DML), em Vitória, para realizar exames e ser encaminhada ao hospital para tomar o coquetel de remédios para HIV.

A jovem disse que vai procurar a Corregedoria da PM para denunciar os policiais que negaram ajuda e debocharam dela.

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) informa que a Polícia Militar preza pela qualidade de atendimento e disponibilidade ao cidadão capixaba e não coaduna com atitudes negligentes e desatenciosas. A reclamação deve ser registrada na Corregedoria da instituição para que as medidas cabíveis sejam adotadas.

 

Compartilhe
Facebook
WhatsApp

Notícias Recentes

Portal de notícias de Baixo Guandu e região Vale do Rio Doce. Desde 2018.