Bolsonaro projeta eleição com bancada de 100 parlamentares do Aliança em 2022


source
homem rindo arrow-options
Daniel Marenco/Agência O Globo

Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro projetou neste sábado que o partido que ele tenta criar, o Aliança pelo Brasil , poderá eleger uma bancada de cem parlamentares nas eleições de 2022. Bolsonaro participou de um evento do Aliança em Brasília, destinado a coletar assinaturas para a criação na legenda, e disse que o partido irá fazer checagem nos filiados, para evitar problemas como os que teve na sua antiga sigla, o PSL.

“Não vai ser como no partido passado. A gente vai ter que dar uma analisada na vida daquela pessoa para a gente poder realmente confiar ou não. O objetivo, se nós tivermos bem em 22, a gente faz uma bancada de cem parlamentares”, disse Bolsonaro, no seu discurso.

Leia também: Bolsonaro sanciona Orçamento de 2020 com fundo eleitoral de R$ 2 bilhões

Nas eleições de 2018, o PSL elegeu 52 deputados federais e quatro senadores. O partido rachou, contudo, depois de uma briga entre Bolsonaro e o presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar (PE), e cerca de metade da atual bancada deverá seguir para o Aliança.

Bolsonaro criticou pessoas que “enganaram”, sem citar nomes, e disse que todos que ingressarem no Aliança terão que respeitar a “bandeira” do partido, que incluirá, de acordo com ele, não utilizar o fundo eleitoral.

“É duro viver com pessoas que tinham outros objetivos no período eleitoral e nos engaram. Mas nós estamos vencendo esse momento. Vamos agora, se Deus quiser, formar um partido comprometido de verdade com o futuro do país. Um partido que não aceitará usar o fundão. Um partido que tem uma bandeira e todos, realmente que, uma vez ingressando nele, vão seguir”.

Leia também: Entenda o esquema de corrupção na Secom que implica em Bolsonaro

O presidente ainda comentou a possibilidade do Aliança ser formado a tempo de lançar um candidato nas eleições suplementares que serão realizadas no Mato Grosso, após a senadora Selma Arruda (Podemos) ser cassada.

Bolsonaro disse ter consultado a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), presente no evento, e afirmou que a eleição será “no final de março”, mas o pleito ainda não foi marcado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MG)

“Eu perguntei para Bia aqui agora e ela respondeu, mas não tem muita certeza. Se a gente formar o partido, dá tempo de lançar o candidato ao Senado em Mato Grosso? Vai ter eleição agora no final de março. Se der tempo, será a primeira prova nossa, eleger um senador raiz do Aliança”.

Presidente reclama de críticas a fundo eleitoral

Durante evento do Aliança pelo Brasil, em Brasília, Bolsonaro voltou a justificar a sanção do fundo eleitoral como cumprimento da lei. Ele reclamou de críticas feitas pela “falsa direita” e por “isentões”:

“A esquerda bater, tudo bem. A falsa direita, os isentões, caem de pau. “Ah, ele tem que vetar o fundão”. Eu tenho que cumprir a lei. O fundão é de 2017. Está lá no artigo 85 da Constituição, eu divulguei isso. Pode ser enquadrado em crime de responsabilidade. Está lá na lei de 50, que fala do impeachment”, afirmou.

Leia também: Horas antes da publicação de vídeo com tom nazista, Bolsonaro enalteceu Alvim

Bolsonaro disse que iria vetar o fundo se o valor fosse de R$ 3,8 bilhões, como chegou a ser cogitado por congressistas. Eles recuaram, contudo, justamente por indicativos de que o presidente iria vetar.

“Não é vocês, somos todos nós somos, inclusive eu, somos escravos da lei. Estaria atrapalhando a democracia, o cumprimento da lei eleitoral com o veto. Quando pintou 3,8 bilhões, eu ia vetar. Interesse público, tinha argumento para isso. Mas quando pintou os R$ 2 bi…Cuja proposta veio do Tribunal Superior Eleitoral, não foi minha. Aí vem alguns coleguinhas, eleitos pelo PSL, falar abobrinha. Mas tudo bem”.

Compartilhe
Facebook
WhatsApp

Notícias Recentes

Portal de notícias de Baixo Guandu e região Vale do Rio Doce. Desde 2018.