Usina hidrelétrica de Mascarenhas pode ser vendida pela EDP até 2025.

A EDP poderá colocar à venda até 2025 a usina hidrelétrica de Mascarenhas, localizada no município de Baixo Guandu, na região Noroeste do Espírito Santo. Isso porque ela está atenta a novas matrizes energéticas, em especial as que utilizam em seus processamentos a energia solar.

De acordo com informações a EDP Brasil poderá colocar à venda algumas de suas usinas hidrelétricas em determinadas regiões brasileiras. Considerada como a maior em geração de energia no Estado, a hidrelétrica de Mascarenhas poderá entrar na lista da empresa EDP.

Segundo informações, as hidrelétricas de Santo Antônio do Jari e Cachoeira Caldeirão, localizadas no Estado do Amapá, juntamente com a de Baixo Guandu, estariam no planejamento da EDP. A empresa está estudando a viabilidade econômica de colocar à venda três hidrelétricas.

Com capacidade para gerar 198 megawatts, a hidrelétrica de Mascarenhas entrou em operação no ano de 1974. Em se tratando de geração de energia ela fica atrás da hidrelétrica de Aimorés, localizada na divisa de Baixo Guandu com Aimorés, município de Minas Gerais, que foi inaugurada em 2001, com uma produção de 330 megawatts.

Em nota oficial a EDP se manifestou sobre o assunto.

A EDP informa que tem como uma de suas estratégias diminuir seu investimento em geração hidrelétrica, até 2025, para elevar seus investimentos em energia solar. O objetivo é reduzir o risco associado à fonte hídrica, em função da volatilidade de preços desta modalidade. Entretanto, a Companhia não confirma o interesse específico na venda de nenhum ativo cujo nome tenha sido ventilado na imprensa.
A EDP acrescenta que a UHE Mascarenhas e a EDP Espírito Santo são empresas distintas – uma com atuação no segmento de Geração de Energia e a outra no segmento Distribuição – e que uma eventual negociação da primeira não teria nenhum impacto aos clientes da Distribuidora, cuja tarifa é definida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Em 2020, a EDP investiu R$ 384,5 milhões no Espírito Santo, que também deve receber cerca de metade dos R$ 6 bilhões que a Companhia pretende destinar a este segmento até 2025.

Redação: Jornal ATV – A Tribuna do Vale o seu portal de notícias online.