Animais são apreendidos no Norte do ES, eles seriam vendidos por até R$ 3 mil no RJ.

Espírito Santo – Uma operação envolvendo Policiais Federais, em conjunto com servidores do Ibama do Espírito Santo e Rio de Janeiro e do ICMBio, foi deflagrada na manhã de hoje, terça-feira (09), para reprimir a ação de uma organização criminosa especializada no tráfico de animais silvestres que atuava no norte capixaba e na baixada fluminense.

De acordo com informações, foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão expedidos pela 1ª. Vara Federal Criminal de Colatina, nos municípios de Vila Valério (05), São Gabriel da Palha (02), Nova Venécia (01), Águia Branca (01) e Magé(04), no Rio de Janeiro.

Em razão da grande quantidade de mandados a serem cumpridos, além dos Policiais Federais lotados na Delegacia de Repressão aos Crimes contra o Meio Ambiente (DELEMAPH), a operação contou com a participação de aproximadamente 55 outros policiais do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

As investigações se iniciaram após ação fiscalizatória realizada pelo IBAMA e ICMBio que resultou na prisão de pessoas que estavam de posse de 8 filhotes de papagaio Chauá (espécie ameaçada de extinção) e de dois de seus ovos, capturados, possivelmente, no interior da Reserva Biológica de Sooretama ou em seu entorno.

Segundo a polícia, durante as investigações foram identificadas ao menos outras 8 pessoas que atuam em Vila Valério, São Gabriel da Palha, Nova Venécia e Águia Branca predando ninhos e capturando filhotes de aves de várias espécies.

Esses caçadores, no período de nascimento de filhotes de papagaio (entre setembro e janeiro), coletam os filhotes das aves nos ninhos e os vendem a um intermediário no Espírito Santo. O intermediário repassa os animais para um grande comerciante de animais silvestres ilegalmente capturados na natureza que, a partir do Rio de Janeiro, envia os animais para outros estados do país.

Cada filhote de papagaio é vendido pelos caçadores por cerca de R$ 100, o intermediário os revende para o comerciante no Rio de Janeiro por R$ 150 e os animais são vendidos por até R$ 3 mil ao comprador final. A principal espécie de papagaio traficada pelo grupo investigado é o Papagaio Chauá, mas também se verificou outras espécies, tais como a Maracanã-verdadeiro e a Maritaca.

Além das aves, a organização criminosa também comercializa outros animais que tenham valor comercial. As investigações constataram a venda de macacos-prego (também ameaçados de extinção), coleirinhos, corrupiões, corujas e de filhotes de jacaré. No caso dos macacos-prego, apenas os filhotes eram capturados, uma vez que os animais adultos são muito agressivos. Para conseguir pegar os filhotes os caçadores abatiam as mães.

Fotos: Polícia Federal.

Ainda segundo as investigações, o grupo investigado existe há pelo menos 15 anos. Somente no ano de 2020 foram capturados cerca de 55 (cinquenta e cinco) filhotes de papagaios, o que os investigados consideraram uma temporada muito fraca, pois os números eram bem superiores no passado.

Esse número gera, ao longo do tempo, um grande impacto na procriação, comprometendo, de maneira significativa, a perpetuação de uma espécie que já é ameaçada de extinção.

Redação: Jornal ATV – A Tribuna do Vale o seu portal de notícias online.