Cresce 11% em maio a clonagem de WhatsApp e atinge 407 mil usuários.

No mês de maio a clonagem do aplicativo WhatsApp cresceu 11% no Brasil em relação ao mês de abril, a estimativa é que cerca de 407 mil brasileiros tiveram os seus aplicativos clonados.

Golpes aplicados no WhatsApp já são noticiados a um bom tempo e cada vez mais os bandidos estão investindo em novas estratégias para poder roubar as contas no aplicativo, a chamada “clonagem”.

Esses dados são de um estudo feito pelo dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, que realizou um levantamento a respeito do cenário da cibersegurança no país.

O Estado de São Paulo segue liderando a lista de estados mais afetados, com 81,6 mil vítimas, seguido pelo Estado do Rio de Janeiro, com 53,5 mil e atrás vem o Estado de Minas Gerais, com 36,2 mil.

Apesar de o próprio WhatsApp já ter divulgado orientações do que fazer caso seja vítima deste ataque e como evitá-los, os especialistas temem que a nova função de pagamentos dentro do aplicativo atraia ainda mais os golpistas.

Ainda de segundo com o estudo, em maio foram detectados 136 mil golpes únicos. Juntos, esses ataques impactaram 10,6 milhões de usuários em todo o país. As promessas de falsos benefícios, como páginas falsas que simulam o saque do FGTS, foi a temática mais utilizadas pelos cibercriminosos, atingindo mais de 27 milhões de acessos e compartilhamentos.

Simoni listou alguns cuidados que todos os usuários devem ter para não cair em golpes:

– Mantenha um bom sistema de segurança instalado no seu celular. Dê preferência para um que tenha tecnologia para bloquear golpes no WhatsApp.

– Antes de realizar qualquer tipo de pagamento, fornecer seus dados pessoais ou informações bancárias certifique-se que a pessoa com que você está se comunicando é confiável. Além disso, tenha cuidado ao clicar em links compartilhados no WhatsApp ou nas redes sociais.

– Ative a autenticação em dois fatores, disponível no próprio WhatsApp, para aumentar a segurança da conta.

– Em caso de dúvida sobre as medidas de proteção que estão sendo tomadas quanto à segurança de alguma transação que você realizou, procure seu banco.

Redação: A Tribuna do Vale com informações do portal R7.