HTML Widget previsão do tempo por Weatherwidget.org
Acusado de mandar matar cunhado, ex-vereador se entrega à polícia. Confira! - A Tribuna do Vale

Acusado de mandar matar cunhado, ex-vereador se entrega à polícia. Confira!

O ex-vereador de Mimoso do Sul, José Jardel Astolpho, foi preso na noite desta quarta-feira (25) em Apiacá, no Sul do Estado, após ficar quase um mês foragido da Justiça. Contra ele, havia um mandado de prisão em aberto por homicídio. 

Jardel, como é mais conhecido, é acusado pela polícia de ser o mandante da morte do cunhado e sócio, Sebastião Carlos de Oliveira Filho, em 2008. O ex-vereador foi condenado por um júri popular a mais de 18 anos de prisão. O acusado teve o mandado de prisão mantido, após recurso, pela 1° Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado, no último dia 28 de agosto.

Assim que foi expedido o mandado de prisão do ex-vereador, a Polícia Civil iniciou os trabalhos para a busca e captura do foragido, segundo o delegado regional de Cachoeiro de Itapemirim, Rômulo Carvalho.

“Foram usadas as técnicas protocolares investigativas no sentido de fazer a prisão dele, além das ações do dia a dia que faziam uma espécie de sufocação do foragido. Até que, em razão dessas ações, o advogado dele me procurou e disse da intenção de  [Jardel] de se entregar para cumprimento da pena” explica o delegado.

Jardel se apresentou à polícia e foi preso em um hotel, no centro na cidade de Apiacá, conduzido à 7° Delegacia Regional de Cachoeiro de Itapemirim e encaminhada ao presídio da cidade, onde vai responder pelo crime de homicídio qualificado por 18 anos e seis meses.

Para a família de Sebastião, o sentimento é de justiça sendo feita. “É uma situação triste. A gente não queria que fosse ele [o Jardel], sabe. Foi uma divisão muito difícil na nossa família. Mas é uma sensação de dever cumprido. O sangue do meu pai clamava por justiça e a gente conseguiu fazer essa justiça esperando, no tempo certo, pela lei e com respeito. A gente não quis se vingar, esperou para que a justiça fosse feita e foi”, desabafa Myrella Salvador, filha da vítima.

Por: Alessandro de Paula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *